domingo, 22 de julho de 2007

PERGUNTA DE INTERNAUTA PARA OS TÉCNICOS EM AVIAÇÃO

qRogerio rogerio.cunha@terra.com.br


Meus amigos e amigas

Depois de vários pronunciamentos, inclusive de amigos aqui do grupo por quem tenho respeito e admiração, sobre a não necessidade de usar o reversos para auxiliar na parada do avião, estou convencido de que realmente não seja necessário porém quero colocar aqui as dúvidas que ainda tenho à respeito.

Se não é necessário, qual a razão que leva as indústrias aeronáuticas a gastarem mais dinheiro na colocação na aeronave de todo um sistema hidráulico e mecânico para acionar os reversos ? Se não é necessário, porque não exclui-lo dos itens de um avião?

Outra pergunta: se não é necessário, porque a maioria dos pilotos os usa quando do pouso? Simplesmente para fazer mais barulho e acordar a tripulação que poderia estar dormindo? Ou para solavancar os passageiros que ainda descansam? Ou para poder ganhar um minuto no vôo e não ter que ir ao fim da pista e depois tomar a direção do terminal de passageiros?

Tudo isto me leva a crer que existem detalhes que o publico e a mídia não saem ainda e que precisam saber. Na minha opinião de analfabeto no assunto,- os reversos existem para serem usados sim e me parecem em situações muito simples:

1 - pista muito curta
2 - pista escorregadia
3 - excesso de peso da aeronave
4 - pista molhada
5 - outras citações que os pilotos conhecerão mais do que eu.

Outro detalhe que gostaria de mostrar: o avião que se acidentou virou para a esquerda - o edifício da TAM não esta alinhado com a pista - e será que não foi porque usando o reverso esquerdo apenas, o lado esquerdo da aeronave tendeu a diminuir a velocidade enquanto a turbina direita mantinha aumentando a velocidade do lado direito da aeronave o que faria com que o avião tendesse para a esquerda ( um dos recursos usados para fazer uma curva fechada numa aeronave, quando no solo e a pouca velocidade, é exatamente acelerar o motor do lado contrário à curva que se deseja fazer ou, é claro, inverter o motor do mesmo lado da curva o que faria o mesmo efeito; e ninguém falou nesta hipótese.

Para mim a grande realidade é que, com as condições da pista no momento do acidente, O REVERSO FEZ FALTA E MUITA FALTA.

Outra coisa interessante de ser pensada: se o reverso não faz falta, porque o manual da aeronave diz que ele deverá ser reparado em 10 dias ? Não seria necessário repara-lo nunca. Além do mais vamos pensar no seguinte: as empresas brasileiras na ganância de dinheiro estão fazendo os aviões voarem muito mais do que deveriam. Os aviões não conseguem parar para manutenção e a prova está que pinaram o reverso para não para o avião. Será que estes 10 dias que o manual fala não serão 10 dias parados? Ou 10 dias voando 4 horas por dia? Ou 10 dias sem nenhum voo em pista curta e molhada? Esta medida de 10 dias para reparar um reverso me dá vontade de rir. Pensam que todos somo analfabetos.

Desculpem-me mas gostaria de entender mais sobre os reversos serem ou não usados.
Abraco
Rogerio

3 comentários:

Os Belos e as Feras disse...

uA possível falha técnica não justifica o relaxamento do Governo e muito menos a alegria de seus assosseres. Caso houvesse uma pista decente, ao menos na extenção, tal avião teria como diminuir a velocidade sem se espatifar daquela forma.

O desastre que ocorreu não deveria surpreender nosso Presidente, pois as dificuldades do tráfego aéreo já eram conhecidas por Lula desde 2003, quando foi avisado da bagunça que haveria no setor futuramente. Mas perder tempo com ‘isso’ não daria o IBOPE necessário, até porque os eleitores que o interessam só andam de trem. Então, Lula deixou o perigo prá lá. O desastre pode esperar; não pode ser resolvido com cesta básica.

Jurema Cappelletti
(lamento ser carioca e não poder participar do movimento de perto)

Os Belos e as Feras disse...

A possível falha técnica não justifica o relaxamento do Governo e muito menos a alegria de seus assosseres. Caso houvesse uma pista decente, ao menos na extenção, tal avião teria como diminuir a velocidade sem se espatifar daquela forma.

O desastre que ocorreu não deveria surpreender nosso Presidente, pois as dificuldades do tráfego aéreo já eram conhecidas por Lula desde 2003, quando foi avisado da bagunça que haveria no setor futuramente. Mas perder tempo com ‘isso’ não daria o IBOPE necessário, até porque os eleitores que o interessam só andam de trem. Então, Lula deixou o perigo prá lá. O desastre pode esperar; não pode ser resolvido com cesta básica.

Jurema Cappelletti
(lamento ser carioca e não poder participar do movimento de perto)

Os Belos e as Feras disse...

A possível falha técnica não justifica o relaxamento do Governo e muito menos a alegria de seus assosseres. Caso houvesse uma pista decente, ao menos na extenção, tal avião teria como diminuir a velocidade sem se espatifar daquela forma.

O desastre que ocorreu não deveria surpreender nosso Presidente, pois as dificuldades do tráfego aéreo já eram conhecidas por Lula desde 2003, quando foi avisado da bagunça que haveria no setor futuramente. Mas perder tempo com ‘isso’ não daria o IBOPE necessário, até porque os eleitores que o interessam só andam de trem. Então, Lula deixou o perigo prá lá. O desastre pode esperar; não pode ser resolvido com cesta básica.

Jurema Cappelletti
(lamento ser carioca e não poder participar do movimento de perto)